terça-feira, 3 de abril de 2012

Is this Love?

~



  É engraçado percorrer os anos vividos e perceber como os sentimentos se alteram, como a nossa personalidade se molda às circunstâncias, pessoas e valores. Quando somos pequenos temos o desejo enorme de dar um salto gigante na linha cronológica e viver como um adulto. Chegados à idade adulta esse desejo inverte-se e era tão bom se pudesse o tempo recuar e viver de novo a infância já perdida. Livres de responsabilidades, onde a ingenuidade, inocência e simplicidade toma conta de nós. Muitas vezes este sentimento apodera-se quando as expectativas não correspondem à realidade, quando os olhos inocentes deixam de ver o Mundo em modo "desenho animado" e as pessoas se transformam em monstros saídos de filmes de terror.  Ano após ano da nossa vida, dia após dia começamos finalmente a perceber o sentido da vida, o que nos move e o mais importante: descobrimos o Amor! E quando falo em Amor falo nas mais variadas formas, nas mais diversas situações. Desde o Amor que sentimos pela nossa família após o primeiro minuto de existência e que se intensifica minuto a minuto. Quando descobrimos o amor da forma mais inesperada, pela pessoa mais improvável e no momento em que nada parece fazer qualquer tipo de sentido. Manifesta-se num gesto, num olhar, num "Amo-te".
  Quando perdemos alguém que nos é muito querido e que amámos de uma maneira incondicional a vida começa a ganhar forma e encontramos beleza em coisas pelas quais ainda não tínhamos dado conta. Quando descobrimos que o nosso trabalho nos preenche e nos realiza em todos os sentidos. Trabalhar torna-se um vicio e não um suplicio. Encontrei o amor nos meus amigos de sempre, onde nada se pede e tudo se dá, onde guardamos os nossos problemas no bolso e resolvemos os deles.
  No meu caso descobri o verdadeiro significado da palavra Amor com 3 seres absolutamente fantásticos: os meus sobrinhos. E por ser a forma mais pura de amor e mais genuína não há palavras que o possam descrever. Basta um sorriso desmedido, um olhar carinhoso e umas quantas palavras inocentes para que o dia ganhe sentido e tudo seja feito com um sorriso nos lábios. 
 Ao longo da vida aprendi que o melhor da vida não são coisas, são pessoas e momentos. Pessoas admiráveis que tornam os momentos inesquecíveis e que nos dão vontade de encher o peito de ar e gritar bem alto o quanto somos felizes e estamos gratos por existirem na nossa vida. E qual é a parte melhor? Saber que ainda vamos descobrir uma nova forma de amar, ainda maior, mais intensa e diferente de tudo o que vivemos até aqui!

1 comentário:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar